Back to top

ASPECTOS DE BIOSSEGURIDADE RELACIONADOS À PRODUÇÃO DE SUÍNOS

Tipo de Trabalho 

Artigo

Com o crescimento do mercado da carne suína no Brasil, a produção de suínos é cada vez mais intensa. E com isso, os animais estão susceptíveis a enfermidades que podem gerar uma grande perda econômica no setor. As medidas de biosseguridade visam minimizar as possibilidades de entrada de um novo patógeno, favorecendo para um bom status sanitário do rebanho nacional. O país conta com o PNSS, para buscar uma situação sanitária melhor, com o reconhecimento de área livre para doenças de importância internacional, e evitando o aparecimento de surtos de doenças com impacto econômico, e assim não gerando prejuízos para o setor. Na sua maioria, o país possui uma produção intensiva e tecnificada, com uma alta densidade animal, que acaba contribuindo para uma rápida disseminação das doenças nos planteis. Além dessas produções, há uma pequena porcentagem de pequenos produtores, os quais possuem um menor nível de biosseguridade nas propriedades, sendo mais comum o contato com suínos asselvajados que podem transmitir doenças para os animais. Com isso a biosseguridade vem sendo discutida para impedir a entrada e a disseminação de doenças infecciosas nos planteis de suínos. Estudos realizados mostram que a maioria das granjas possuem falhas em algum ponto de biosseguridade. Isso pode abrir porta para doenças e prejudicar a sanidade do rebanho e a economia do setor, por isso é importante um plano de biosseguride adaptado para cada propriedade levando em consideração as características da granja e seus desafios sanitários. Além disso, a biosseguride tem papel na saúde única, evitando a disseminação de zoonoses.